Treinamento Funcional

Uma revisÆo bibliogr fica

Capacidade funcional ‚ a capacidade de realizar as atividades normais da vida di ria com eficiˆncia, autonomia e independˆncia. A independˆncia funcional requer for‡a muscular, equil¡brio, resistˆncia cardiovascular e tamb‚m motiva‡Æo. A falta de atividade f¡sica e o envelhecimento sÆo dois fatores que favorecem a deteriora‡Æo de v rios sistemas e qualidades f¡sicas, diminuindo a capacidade funcional do corpo humano. Por isso, a pr tica de exerc¡cios que possam manter ou recuperar a capacidade funcional ‚ fundamental para todo ser humano independentemente da fase da vida em que este se encontra.

Com o decorrer do tempo as redu‡äes na for‡a e massa muscular se refletem na capacidade funcional dos indiv¡duos. O treinamento de exerc¡cios contra resistˆncia faz com que ocorra aumento de for‡a e massa muscular. A literatura cient¡fica mostra evidˆncias de que os exerc¡cios resistidos podem ser utilizados tanto para ganhos como para a manuten‡Æo da massa corporal magra em todas as faixas et rias.

A muscula‡Æo vem ganhando cada vez mais adeptos para melhorar a performance e prevenir lesäes em corredores. Todavia, alguns estudos estÆo sugerindo que ‚ preciso ir um pouco al‚m dos pesos e dos aparelhos. O treinamento funcional vem sendo citado como mais eficaz tanto para melhorar o rendimento como para diminuir o risco de lesäes em corredores, profissionais ou nÆo.

O treinamento funcional resgata a capacidade funcional de um homem moderno, independente do seu n¡vel de condi‡Æo f¡sica e das atividades que realiza. Todas as capacidades f¡sicas – equil¡brio, for‡a, velocidade, coordena‡Æo, flexibilidade e resistˆncia – sÆo trabalhadas de forma integrada atrav‚s do envolvimento da propriocep‡Æo (sensa‡Æo mediada por receptores localizados na pele e nos m£sculos, tendäes, ligamentos e c psulas articulares).

O treinamento funcional representa uma nova forma de condicionamento f¡sico, guiada pelas leis b sicas do treinamento, sustentada cientificamente atrav‚s de pesquisas e referˆncias bibliogr ficas em todos os seus pontos principais e principalmente, testada extensivamente na sala de treinamento, onde foi poss¡vel determinar suas linhas b sicas.

O treinamento funcional leva … todos os indiv¡duos praticantes de atividade f¡sica o que a ciˆncia e os preparadores f¡sicos h  muito sabem sobre a fisiologia, biomecƒnica e treinamento. O treinamento funcional vˆ seus usu rios como atletas. J  foi dito que atletas normais preparam-se com m‚todos de treinamento convencionais; enquanto atletas excepcionais preparam-se com m‚todos de treinamento excepcionais.  exatamente isso que o treinamento funcional pretende: dar a todos os usu rios, atletas ou nÆo, a condi‡Æo de atingir seus objetivos.

O uso do treinamento funcional exige a supervisÆo direta de um profissional habilitado e de uma base razo vel de treinamento com muscula‡Æo.  um m‚todo altamente complexo, desafiador e por isso muito extenuante principalmente nas primeiras sessäes.

Benef¡cios deste tipo de treinamento: melhora da postura, melhora do equil¡brio muscular, melhora do desempenho nos esportes, controle do peso corporal, diminui‡Æo de ocorrˆncias de lesäes, melhora na eficiˆncia dos movimentos, maior estabilidade da coluna vertebral, melhora do equil¡brio est tico e dinƒmico, desenvolvimento da consciˆncia sinest‚sica (sensa‡Æo do movimento) e melhora das qualidades f¡sicas com equil¡brio, for‡a, coordena‡Æo motora, resistˆncia central e perif‚rica (cardiovascular e muscular), lateralidade, flexibilidade e propriocep‡Æo.


As Principais Caracter¡sticas do Treinamento Funcional:

  • Transferˆncia
    Quanto maior a especificidade e a semelhan‡a do treino com a atividade, maior ser  a transferˆncia dos ganhos do treino para essa mesma atividade.
  • Estabiliza‡Æo
    A instabilidade "recruta" os m£sculos estabilizadores do joelho, tornozelo, quadril e, principalmente, da coluna (core). O Treinamento Funcional usa quantidades controladas de instabilidade para estimular o sistema proprioceptivo e a capacidade de rea‡Æo.
  • Desenvolvimento dos Padräes de Movimentos Prim rios
    O c‚rebro guarda alguns movimentos-chave que podem ser facilmente "acessados" e modificados quando executamos com a mesma velocidade e amplitude.
  • Desenvolvimento dos Fundamentos dos Movimentos B sicos
    O Treinamento Funcional trabalha os quatro tipos b sicos de habilidades: locomotora, estabiliza‡Æo, manipula‡Æo e a de consciˆncia de movimento. Qualquer movimento complexo executado nos esportes ou nas atividades di rias ‚ uma combina‡Æo desses movimentos b sicos.
  • Desenvolvimento da Sinergia Muscular
    Ao envolver todo o corpo na execu‡Æo de um exerc¡cio, o Treinamento Funcional faz com que v rios m£sculos e articula‡äes trabalhem juntos, de forma coordenada e sin‚rgica.
  • Desenvolvimento das Habilidades Biomotoras Fundamentais
    For‡a, equil¡brio, resistˆncia, coordena‡Æo, flexibilidade e velocidade – de acordo com o grau de participa‡Æo de cada uma delas no esporte ou atividade espec¡fica e de acordo com a fase de treinamento.
  • Aprimoramento da Postura
    O Treinamento Funcional trabalha tanto a postura est tica (posi‡Æo em que o movimento come‡a e termina) quanto a postura dinƒmica (capacidade do corpo de manter o eixo de rota‡Æo durante todo o movimento).
  • Atividades em "Ground Base" (com os p‚s no chÆo)
    Os exerc¡cios "ground base" utilizados no Treinamento Funcional sÆo mais parecidos que os movimentos que executamos nos esportes e nas atividades di rias, possibilitam aplica‡Æo de uma for‡a maior do que nos exerc¡cios de cadeia aberta e trabalham todo o sistema neuromuscular e a habilidade do corpo estabilizar as articula‡äes durante o movimento.
  • Exerc¡cios multi-articulares
    (que desenvolvem tanto a capacidade de estabiliza‡Æo quanto a coordena‡Æo intramuscular) e multiplanares (que envolvem movimentos das articula‡äes nos trˆs planos). Exerc¡cios que utilizam apoios dos p‚s ou das mÆos.

O que ‚ Core

Estrutura ‚ a palavra-chave. SÆo os m£sculos que rodeiam e estabilizam o tronco (MMII / MMSS). Musculatura envolvida reto abdominal, obl¡quos, transverso e quadril.  preciso compreender que o corpo tem um centro gravitacional, onde se originam todos os movimentos. Os m£sculos associados a este centro gravitacional sustentam a coluna, os ¢rgÆos internos e a postura, formando um cilindro da estabilidade ao redor da cintura, tamb‚m chamado de CORE. O controle destes m£sculos resulta em cintura e abd“men mais definidos, melhora consider vel do funcionamento dos ¢rgÆos internos e postura mais correta e forte, pois quanto mais fortes os m£sculos do CORE, mais eficientes sÆo os seus movimentos.


Referˆncias

  • Antoniazzi, R. C. et. al. Altera‡äes do Vo2m x. de indiv¡duos com idades entre 50 e 70 anos, decorrente de um programa de treinamento com pesos. Revista Brasileira de Atividade F¡sica. v.4, n.3, p. 27-34, 1999.
  • Aragao, J. C. B.; DANTAS, E. H. M.; DANTAS, B. H. A. Efeitos da resistˆncia muscular localizada visando a autonomia funcional e a qualidade de vida do idoso. Revista Fitness & Performance. v.1, n.3, 2002.
  • Campos, M & Neto Coraucci B., Treinamento Funcional Resistido, Ed. Revinter, Rio de Janeiro, RJ, 2004
  • Carvalho, J.; Borges, G. A. Exerc¡cios de alongamento e as suas implica‡äes no treinamento de for‡a. Caderno de Educa‡Æo F¡sica, Estudos e Reflexäes. v.3, n.2, p.67-78, 2001.
  • DïElia, R.; DïElia, L. Treinamento funcional: 6§ treinamento de professores e instrutores. SÆo Paulo: SESC - Servi‡o Social do Com‚rcio, 2005. Apostila.
    DIAS, R. M. R. Impacto de oito semanas de treinamento com pesos sobre a for‡a muscular de homens e mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. V.11, n.4, p. 224-227, jul./ago., 2005.
  • Faria, J. C. et al. Importƒncia do treinamento de for‡a na reabilita‡Æo da fun‡Æo muscular, equil¡brio e mobilidade de idosos. Revista Acta Fisi trica. 10(3): 133-137, 2003.
  • Goulart, F. et al. O movimento de passar de sentado para de p‚ em idoso: implica‡äes para o treinamento funcional. Revista Acta Fisi trica. SÆo Paulo, v.10, n.3, p.138-143, dezembro, 2003.
  • Maior, A. S.; Alves, A. A contribui‡Æo dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de for‡a muscular: uma revisÆo bibliogr fica. Revista Motriz. Rio Claro, v.9, n.3, p.161-168, 2003.
  • Marchand, E. A. A. Melhoras na for‡a e hipertrofia muscular provenientes dos exerc¡cios resistidos. Dispon¡vel m:. Acesso em: 20/02/2006.
  • Neto, F. R.; Parca, R. Correla‡Æo das valˆncias f¡sicas for‡a, flexibilidade e equil¡brio com o teste de atividade de vida di ria levantar-se do solo. Dispon¡vel em: www.jvianna.com.br/jefe/artv2n4_05.pdf. Acesso em: 07/01/2006.
  • Portal Educacional do Estado do Paran 
  • Ramos, C. R. S. Perspectivas dos m‚todos e sistemas do treinamento de for‡a. Dispon¡vel em: Acesso em: 21/02/2006.
  • Raso, V. A adiposidade corporal e a idade prejudicam a capacidade funcional para realizar as atividades da vida di ria de mulheres acima de 47 anos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v.8, n.6, p.225-233, nov/dez, 2002.
  • Verchoshanskij, Y. Os horizontes de uma teoria e metodologia cient¡fica do treinamento esportivo. Tradu‡Æo de: Guilherme Locks GuimarÆes e L£cio Bernard.








[ voltar para dicas & saúde ]


Patrocinador







Parceiros

 






Newsletter

Receba nossa newsletter






Redes Sociais

Twitter Facebook Orkut

Site desenvolvido por Treino Online | Copyright 2009-2016 - Todos os direitos reservados à Flávio Freire Assessoria Esportiva